segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Confira as 10 festas de Carnaval de rua mais agitadas do Brasil!

Brasileiro – aquele que gosta de Carnaval, claro – não precisa de desculpa nem de lugar certo para cair na folia. Por isso, nessa época, uma multidão toma as ruas das cidades grandes e pequenas pelo país afora para fazer a sua festa.

10. Fortaleza (CE)
Foto: Jarbas Oliveira/Folhapress
Como acontece em quase toda a região nordeste do país, o Carnaval em Fortaleza não fica restrito a cinco dias. A festa começa semanas antes, ainda em janeiro muitas vezes, ao som dos mais variados ritmos – de bandas locais a músicos populares, rap e, claro, samba. Assim como não se ouve uma coisa só, a folia também não fica concentrada em um único lugar. A cidade tem seis polos carnavalescos pulsantes, entre eles a Praia de Iracema e a Avenida Domingos Olímpio, por onde desfilam agremiações como o Maracatu (foto acima).

9. Florianópolis (SC)
Foto: Glaicon Covre/Folhapress
O Carnaval de Floripa é tipo “coração de mãe”. Sem preconceitos nem restrições, recebe de braços abertos quem chega para festejar do jeito que bem entender. Tem desfile de escola de samba, festas pelos clubes da cidade, além de blocos carnavalescos passando de um bairro a outro e levando consigo uma penca de foliões e simpatizantes. O desfile mais aguardado é o do famoso Bloco dos Sujos (foto acima), onde os homens ficam livres para soltar o seu lado mais feminino.

8. Manaus (AM)
Foto: Divulgação
Na terra do Boi-Bumbá, o Carnaval não poderia ser uma festa longe de suas raízes culturais. Por isso, Manaus decidiu misturar a batida carnavalesca com as toadas de Parintins para criar o Carnaboi. Na região norte do país, não tem para mais ninguém. E até os arqui-inimigos Garantido e Caprichoso deixam a rivalidade de lado para aproveitar juntos. A folia é no sambódromo, mas ao som de trios elétricos que são seguidos por uma multidão – já chegou a reunir mais de 200.000 pessoas.

7. Diamantina (MG)
Foto: Divulgação
Quem decide pular o Carnaval em Diamantina precisa de preparo físico: são 24 horas de folia durante os cinco dias de festa entre as ruas estreitas e os casarões antigos da cidade. De dia, a animação fica por conta dos blocos caricatos, e à noite quem comanda são as duas famosas batucadas: a Bartucada e a Bat Caverna, na Praça do Mercado Velho, que chega a reunir mais de 15.000 pessoas por dia.

6. São Luís do Paraitinga (SP)
Foto: Divulgação
Se você gosta das tradicionais marchinhas, São Luís do Paraitinga é o seu lugar. E pode até chamá-los de radicais: lá, é totalmente proibido tocar axé, funk e pagode – mesmo que seja na garagem de uma casa alugada. Este é inclusive o primeiro – e o segundo – item dos 10 Mandamentos do Folião da cidade. Depois de ver o centro histórico destruído por uma enchente em 2010 – que impediu a realização da festa naquele ano – eles apostam neste como o Carnaval da Reconstrução, que deve atrair 10.000 pessoas por dia.

5. Olinda (PE)
Foto: Aldo Carneiro/Folhapress
Quem também aboliu o axé e o samba do seu Carnaval foi Olinda. Em Pernambuco, o povo só dança ao som do frevo e do maracatu. Entre as dezenas de blocos que desfilam pelas ladeiras da cidade, os principais atrativos são os famosos bonecos gigantes vestidos com as mais diferentes e criativas fantasias. No Enquanto Isso na Sala de Justiça, por exemplo, são heróis como o Homem Aranha que estão à frente da festa.

4. Ouro Preto (MG)
Foto: Divulgação/Prefeitura de Ouro Preto
O público universitário – que anda tão aclamado hoje em dia – tem lugar cativo na festa de rua de Ouro Preto. Os blocos das repúblicas de estudantes dançam no embalo do axé por essa cidade histórica. E os mineiros também herdaram do Carnaval baiano o uso de abadás para a folia, que se esgotam muito rápido. Bandas locais também têm vez, em alguns pontos mais descentralizados, onde o agito é bem menor, e o preço, mais barato.
3. Rio de Janeiro (RJ)
Foto: Lalo de Almeida/Folhapress
Nem só de Sapucaí é feito o Carnaval do Rio de Janeiro. Toda a cidade entra no clima da festa nessa época, e as ruas são tomadas por blocos e bandas – são mais de 400 esse ano, desfilando sua animação pela zona sul e pelo centro - que atraem centenas de milhares de pessoas. E quem entende de muvuca é o Cordão da Bola Preta, o bloco carioca mais tradicional que tem entre sua grande leva de foliões – vestidos, claro, de roupa branca com bolas pretas – muitas celebridades, como a cantora Maria Rita e a atriz Leandra Leal, que é porta-estandarte(foto acima).

2. Recife (PE)
Foto: Moacyr Lopes Júnior/Folhapress
Para Recife, quantidade é qualidade – pelo menos no que diz respeito ao Galo da Madrugada, o maior e mais famoso bloco carnavalesco do mundo (devidamente registrado no Guinness Book). Todos os anos, são mais de 1,5 milhão de foliões pulando ao som de muito frevo atrás do galináceo imponente, no alto de seus 27 metros e pesando mais de 2 toneladas. E quem prefere trio elétrico, pode se esbaldar com mais de 20 a sua escolha, além de palanques com cantores e grupos musicais.

1. Salvador
Foto: Rafael Campos
Impossível falar de Carnaval de rua no Brasil sem dar devido valor a Salvador, onde trios elétricos com os maiores artistas da música baiana vão e vêm em um rodízio frenético pelos três principais circuitos da cidade – Dodô (Barra-Ondina), Osmar (Barra Avenida-Campo Grande) e Batatinha (Centro Histórico). Seja com abadá, como “pipoca” ou nos camarotes, é tudo imperdível. Apesar do sucesso inegável das musas Ivete Sangalo e Claudia Leitte, os mais procurados (e caros) são Chiclete com Banana (foto acima) e Asa de Águia. Mas para quem gosta de blocos carnavalescos, a cidade também não deixa nada a dever, com Timbalada, Eva, Coruja e companhia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário