quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

O potencial afrodisíaco da cebola



Muitos dos alimentos que consumimos semanalmente possuem propriedades que desconhecemos; dentro deles, temos a cebola. Esta planta contêm numerosos benefícios, e junto com o alho, é um dos mais potentes afrodisíacos naturais.

Não é de hoje que conhece-se o potencial afrodisíaco da cebola, se não que ao longo destes séculos a cebola tem sido usada com finalidades sexuais. Assim, na antiga Roma consumia-se para aumentar o libido, e na Idade Media foi proibida em muitas casas religiosas justamente por isso.

A cebola possui numerosas propriedades naturais, entre elas encontramos um aumento do libido e uma melhor performance sexual, tanto no sexo masculino como no sexo feminino.  Isto, somado ao seu acionar contra a tuberculose, o asma, a insônia, seu potencial diurético, estimulante e expectorante, transforma-a em uma completíssima planta.

Para aproveitar a ação afrodisíaca da cebola aconselhamos prepará-la da seguinte maneira: fique a cebola e frite-a em manteiga, que seja uma cebola de tamanho médio. Depois adicione mel fresco e misture. Coma uma colherada deste preparado todas as manhãs.

Outra Medicina

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Métodos naturais para aumentar os feromônios



Os métodos naturais para aumentar os feromônios vão desde exercícios físicos ao uso de ervas naturais. Estas substâncias químicas no corpo criam um perfume natural que atrai pessoas do sexo oposto. Compostas basicamente por proteínas e aminoácidos, conforme comprovado cientificamente, têm a capacidade de afetar a libido do indivíduo que fica sob sua influência. Já ouviu dizer que um casal tem química? O que ocorre na verdade é uma interação intensa entre os feromônios dos envolvidos.

Conquistando pelo cheiro

Homens e mulheres emitem feromônios diferentes, em diferentes quantidades. Quem produz mais tende a atrair mais admiradores. A explicação dada pela ciência é de que há uma ligação entre a quantidade de feromônios femininos e os níveis de testosterona masculino. Por exemplo, quanto mais testosterona tiver um homem, maior atração provoca aos feromônios femininos.
E uma das chaves para o aumento destas substâncias está no exercício físico. Acredita-se que quanto mais “malhado” está um corpo, mais feromônios são produzidos. O fato é que quando se trabalha um grande número de músculos, e de maneira seguida, maior é a quantidade de suor produzido. E o suor é grande responsável por “povoar” a pele com os feromônios.
Outro proceder importante neste sentido é manter o equilíbrio no nível de zinco do organismo. Há que ressaltar que o organismo humano não consegue produzir este mineral, portanto depende mesmo de fontes externas. Entre as melhores estão as ostras, gérmen ou farelo de trigo, crustáceos, amendoim, ovos, iorgute, queijo, e as carnes de porco e de frango. Também pode-se optar por suplementos. O detalhe é que excesso de zinco provoca efeitos colaterais nocivos, como náuseas e dores de cabeça. Logo, atenção com a quantidade diária: 15 miligramas para mulheres e 11 para homens.

Se quer manter o nível de feromônios em alta, há que deixar seu cheiro natural predominar. Banhos muito demorados aniquilam essas substâncias químicas, assim como o excesso de desodorantes e perfumes. Uma dica para não deixar que o cheiro natural seja assassinado pelas bactérias que produzem maus odores, principalmente nas axilas, é aplicar gotas de óleo essencial de sândalo sob os braços. Este é um ótimo substituto para o desodorante.
Para incrementar seu poder pessoal de atração, também poderá optar pelas ervas que aceleram a ação destas substâncias neuroquímicas. Ylang ylang e lavanda são as mais eficazes. Estes são para despertar atração mútua. Para atrair o olfato masculino, há que usar o óleo essencial de patchouli. Se todavia, o alvo é o olfato feminino, os mais recomendados são os de musk e o de sândalo. Basta pingar algumas gotas do óleo essencial nas mãos, e esfregar nos pontos chaves do corpo: nuca, pulsos, atrás das orelhas e virilha. Uma pequena quantidade diária, e estará pronto para...

Outra Medicina

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Exercício físico combate a perda de libido provocada pelos antidepressivos em mulheres


Os antidepressivos compõem a principal forma de tratamento da depressão nos dias atuais. Dos efeitos colaterais produzidos pelos antidepressivos, um dos mais frequentes, principalmente em mulheres, é a alteração da função sexual. Estudos apontam que a maioria das mulheres (96%) que tomam antidepressivos relatam algum tipo de disfunção sexual. Além de reduzir a qualidade de vida, este efeito colateral diminui muito a aderência ao tratamento.
O exercício físico é um fator bem estabelecido na promoção da saúde e bem estar geral. Especificamente, o exercício melhora a função sexual em mulheres deprimidas que não tomam medicação. Em mulheres saudáveis, o exercício físico moderado antes de um estímulo sexual aumenta a resposta excitatória a este estímulo.
Baseado neste conjunto de observações foi realizada uma pesquisa para testar se o exercício físico poderia melhorar a função sexual em mulheres que tomam antidepressivos e sofrem os efeitos adversos desta medicação. O estudo avaliou 52 mulheres que tomavam antidepressivos e que apresentavam algum tipo de efeito colateral sobre a função sexual. As mulheres foram acompanhadas por nove semanas e instruídas a ter atividade sexual regular que consistia em atividade sexual com parceiro ou masturbação três vezes por semana. Após as primeiras três semanas as mulheres foram divididas em dois grupos, as mulheres de ambos os grupos continuavam a atividade sexual regular por mais três semanas, adicionando dois padrões de exercício. Um dos grupos realizava exercícios físicos em momentos distantes da atividade sexual, o outro grupo realizava os exercícios imediatamente após a atividade sexual. Após três semanas os grupos foram invertidos, e acompanhados por mais três semanas, fechando as nove semanas totais.
A análise dos resultados feita pelos pesquisadores demonstrou que as duas rotinas de exercícios (distante ou próximo da atividade sexual) mostrou um aumento no orgasmo em todas as mulheres. Além disso, o exercício imediatamente antes da atividade sexual produziu um grande aumento na libido e uma melhora na função sexual como um todo.
A conclusão do estudo é de que uma atividade sexual regular, associada a um programa de exercícios, pode ser uma ferramenta importante para a redução dos efeitos colaterais dos antidepressivos sobre a função sexual em mulheres.

Fonte R7

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

É possível perdoar uma traição? Especialista opina



Casos como o da novela “Amor à Vida”, em que o personagem César, interpretado por Antônio Fagundes, trai a esposa com a sua secretária Aline, vivida por Vanessa Giácomo, não acontecem somente na ficção. A traição existe na vida real e é uma das situações mais difíceis e dolorosas de lidar, pois traz à tona uma sensação de solidão, injustiça, baixa autoestima e raiva do parceiro.

Por que os homens traem?

Segundo a especialista em relacionamentos Sheila Rigler, da agência Par Ideal, nem sempre o sexo é a grande causa da infidelidade. “Hoje, os infiéis buscam fora de casa aquela satisfação emocional como gestos carinhosos, afeto, reconhecimento e cumplicidade”, diz. Entre as explicações mais comuns, ela cita a insatisfação no relacionamento, em função da ausência do parceiro, dificuldades financeiras, monotonia, curiosidade, busca pela autoafirmação, carência e falta de diálogo.

Como lidar com a traição?

Ela diz que, ao perceber os sinais de uma traição, é importante conversar com o parceiro e tentar esclarecer antes de tomar qualquer atitude precipitada. “Nessas situações é fundamental que a pessoa traída não se sinta culpada e procure descobrir o que levou o companheiro a agir dessa forma. Além disso, fazer uma reflexão se vale a pena ou não levar o relacionamento adiante e agir de forma sensata pode ajudar nesse processo doloroso”, afirma.
É preciso pensar bem antes de se decidir pela separação ou pelo perdão. “A traição não significa, necessariamente, que o amor acabou, mas superá-la pode não ser tão fácil assim”, diz a especialista. Muitos fatores estão envolvidos na decisão. Além das dificuldades emocionais do casal, há também o preconceito de amigos e familiares que podem acabar influenciando e impedindo que haja uma reconciliação. “Se a pessoa realmente deseja dar a volta por cima, não deve ligar para opiniões alheias e aproveitar a crise para reconstruir a paixão, perdoar de verdade, sair da rotina, manter a discrição e acreditar no amor. Isso pode ajudar o casal a colocar um ponto final na história e enterrá-la definitivamente”.
Bolsa de Mulher

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Saiba como aprimorar a sua relação


Nada como preliminares caprichadas para esquentar a transa e deixar o casal a ponto de bala. Elas, que são o momento mais divertido da relação, envolvem brincadeiras, risadas, provocações e toques e são importantíssimas para garantir ainda mais prazer ao sexo.
Segundo a sexóloga Carla Cecarello, a preliminar beneficia tanto o homem quanto a mulher. “No caso do homem, ela baixa a ansiedade, permite que ele ‘dê um tempo’ e se controle melhor, percebendo mais facilmente suas sensações e evitando a ejaculação precoce. Já para a mulher, a preliminar permite que ela tenha tempo de se entregar, de se excitar e ficar bastante lubrificada, facilitando a penetração do pênis”, explica.
duração das preliminares varia de acordo com o casal, mas, segundo Carla, é a mulher quem será o termômetro para definir quando é hora de parar de brincar e partir para os “finalmentes”. “Na grande maioria das vezes, a mulher demora mais para se excitar. Ele precisa perceber se ela está envolvida”, aconselha.
Neste momento, a imaginação pode rolar solta: brinquedos, cremes, vendas, acessórios, brincadeiras, massagens, enfim, tudo o que trouxer maior excitação e entusiasmo para o casal é bem vindo. “Eles podem colocar uma música com suingue que remeta ao sexo sensual. Mas, se quiserem usar brinquedinhos como o vibrador, é bom conversarem antes para que não haja nenhum conflito”, alerta a sexóloga.


Dicas para elas
Para enlouquecer seu parceiro durante as preliminares, a sexóloga dá algumas orientações. “Acaricie diretamente o pênis e o saco escrotal. Eles também gostam de carinho na parte interna da coxa, virilha e costas, e alguns se excitam com estímulos no peito e mamilos”, diz.
Durante o sexo oral, não se esqueça de, simultaneamente, acariciar o saco escrotal. As mãos devem sempre estar presentes, ajudando nos movimentos e trazendo maior sensualidade. Outra manobra profundamente estimulante para eles é passar a língua em torno da glande (cabeça do pênis).
Já na hora da masturbação com as mãos, a dica é segurar o pênis com firmeza, e não com o punho “frouxo”. “Não é força, é ter um toque vigoroso”, descreve Carla. “E, do mesmo jeito que começou, termine”, aconselha.

Dica para eles
As mulheres são um pouco mais complicadas de agradar, e muito do prazer depende delas mesmas e do modo como se entregam à relação. Mas Carla ensina o caminho das pedras: “Elas gostam mais de carícias na altura do pescoço, na orelha, algumas nos seios e outras na parte interna das coxas, mas nunca de um toque direto na vagina. Para a mulher, não existe nada mais broxante do que o homem iniciar a preliminar introduzindo o dedo lá. Ela gosta de esperar um pouco para que isso aconteça”, ensina a sexóloga.
“O homem tem que ter uma boa pegada e estimular a sacanagem para que a mulher se sinta usada naquele momento: elas gostam disso”, garante. “Ao mesmo tempo, tem de ser paciente, romântico e delicado. Ele pode fazer uma massagem, elogiar e fazer carícias, o que ajuda consideravelmente a mulher a ter mais prazer”, completa. A partir do momento em que ela está bem excitada, ele pode acariciar o clitóris com as mãos ou língua, se perceber que ela está disposta ao sexo oral. Em outras palavras, o homem tem de estar atento o tempo todo para perceber se a mulher está envolvida e excitada e até que ponto pode ir com ela na cama.
Bolsa de Mulher

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Saiba os fatores que deixam os homens infelizes no relacionamento


A promessa “até que a morte nos separe” é cada vez menos cumprida pelos casais. A possibilidade de se divorciar com mais facilidade e ter a esperança de iniciar uma nova vida com outra pessoa faz com que muitos relacionamentos acabem. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), os divórcios aumentaram 20% em dez anos. Para o psicanalista Mauricio Sita, autor do livro “Vida Amorosa 100 Monotonia” (Editora Viver Melhor), é mais frequente que a mulher tome a iniciativa de se separar, ainda que o parceiro também esteja insatisfeito. “O homem não gosta de ser o responsável pelo rompimento”, afirma.
Segundo o psicanalista, quando a relação vai mal, é muito comum o homem criar armadilhas para que a mulher tome a iniciativa de terminar. “Ele fica distante, economiza atenção e carinho, prioriza o trabalho e os programas com os amigos”, explica o especialista. Dessa maneira, ele vai minando o relacionamento e forçando-a a agir. O psicólogo Ailton Amélio da Silva, professor da USP (Universidade de São Paulo), diz que, na maioria das vezes, as discussões sobre o relacionamento são iniciadas pelas mulheres. “Em geral, elas se incomodam e buscam reverter a situação; querem melhorar ou terminar de vez”, explica Silva.
Maurício Sita explica que um dos motivos que mais perturba o homem, ao assumir a iniciativa de romper um relacionamento, é ter de se justificar para a parceira. “Ele evita tomar a decisão porque sabe que a mulher o questionará, e os homens detestam ter de dar explicações”.




Razões que impedem os homens de romper o relacionamento:

1. Comodismo: família e casa estabelecidas, convivência diária com os filhos e uma mulher para transar, mesmo que seja de vez em quando, é o suficiente para manter muitos homens em um relacionamento. Eles gostam de estabilidade.
2.  Medo: se afastar dos filhos e da companheira que sempre cuidou de tudo para ele pode ser assustador. Há homens que temem não encontrar outra parceira e deixar a mulher livre para outras aventuras.
3. Fuga: quando um homem quer terminar, ele tende a aumentar os custos e diminuir os benefícios, empurrando para a mulher a iniciativa de romper. Para ele, dialogar e assumir a responsabilidade pela separação é um peso.
4. Receio do julgamento: alguns preferem evitar a separação para não abandonar a parceira e os filhos. No fundo, os homens receiam ser julgados pela sociedade.
5. Status: é importante para o homem mostrar para a sociedade que tem uma família, pois isso ainda é sinônimo de status social e pode lhe favorecer no ambiente profissional e familiar.
Fonte: Uol