quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Saiba o que acontece no seu corpo quando você vê alguém atraente


Esqueça a história de amor à primeira vista. Quando o assunto é desejo, é o seu cérebro que comanda

>> De 0 a 5 minutos
Antes mesmo de dizer "oi" para aquele carinha em que você está de olho, seu cérebro já processou as características do objeto de desejo - quanto mais diferente for o cheiro dele do seu, mais excitada você vai ficar.

Áreas do seu cérebro se acendem e começam a produzir dopamina, a mesma substância química responsável pela sensação de euforia.

Se você estiver ovulando, sua atenção pode se voltar para homens com traços mais masculinos (a testosterona está em seu ápice). Se estiver menstruada, um rosto mais suave e delicado pode ser mais atraente (é a progesterona que comanda).

O ponto do cérebro relacionado às memórias está comparando-o sutilmente com seus ex.

>> Depois de 5 minutos
Seu corpo acionou o centro de controle hormonal para liberar substâncias químicas para os seus ovários. A mensagem: "Ele é sexy!"

O cérebro também sinaliza a liberação adrenalina - daí o coração acelera e toda a concentração se volta para ele.

>> Depois de 10 minutos
Além do coquetel de adrenalina, dopamina e testosterona, outra substância pode deixar você fora de órbita: a oxitocina, hormônio que incentiva a união e a monogamia.

>> Depois de alguns meses
Se você estiver realmente apaixonada, seu cérebro reforça a produção do fator de crescimento neural, uma proteína que estimula o desenvolvimento e garante a sobrevivência das células neurais dos sistemas nervosos central e periférico (infelizmente, tudo volta ao normal depois de no máximo 18 meses de compromisso).

Uma nova paixão também faz a produção de cortisol, o hormônio do stress, dispare. Mas, ao contrário dele, que é liberado com o stress mais crônico, essa versão de curto prazo faz você se sentir meio embriagada.

Entra em ação o lado mais racional da mulher, que analisa fatores como companheirismo, confiança, se o cara é meio galinha etc.

Consultoria: Ana Canosa, terapeuta sexual e consultora de Women’s Health

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

6 ajustes para levantar sua relação



Você pode ter uma namorada, uma ficante, uma companheira… Não dá outra: depois de algum tempo, começam as discussões. A boa notícia é que conflitos são saudáveis. O problema é quando os estorvos são silenciosos e, de pouco em pouco, contaminam a história do casal. Um descontentamento jogado para baixo do tapete, um sapo engolido a seco… Resultado: ansiedade em mão dupla e parceiros se sentindo sozinhos em uma vida a dois. “As pessoas acreditam que abrir os próprios descontentamentos pode gerar um conflito ainda maior”, explica Viviane Poubel, sexóloga e diretora da clínica Urogin, em Brasília (DF). Acredite, o diálogo é a melhor saída. Afinal, problemas todos têm, assim como têm que saber lidar com cobranças, ciúme e rotina. Um ajuste aqui, outro ali e o relacionamento funciona legal. A gente indica as ferramentas para você trocar o óleo mais vezes.

1. Vocês não se desligam do smartphone

Um e-mail do trabalho apita. O amigo começa um bate-papo pela rede social. Mensagens de texto pipocam. A turma do futebol posta uma foto – e linka seu nome. E você fica mais entretido com os acontecimentos virtuais do que com o jantar que está rolando com sua parceira. “É um círculo vicioso, pois acalma a ansiedade social. Mas essa satisfação toma um tempo que deveria ser dedicado ao casal”, diz o psicólogo Oswaldo Rodrigues Junior, do Instituto Paulista de Sexualidade.

SAIA DESSA Volte para o mundo real! Sim, aqui as contas ainda precisam ser pagas, o trânsito está cada vez mais caótico e sua parceira pode não esperá-lo mais com os braços abertos. Tanto que 9% das mulheres* reclamam que esse grude com o smartphone é o que mais as deixam irritadas com o parceiro. “Crie uma regra – e cumpra! Assim que chegar em casa, desligue o celular e a internet por uma hora e aproveite exclusivamente esse tempo com a parceira”, indica Viviane. Mas combine com ela que cobranças sobre lavar a louça ou colocar o lixo para fora também estão vetadas durante estes 60 minutos. E que ela também deve evitar cair nas redes.

2. Cada um cuida do próprio umbigo

“Estamos cada vez mais individualistas, querendo competir e vencer em diversos setores”, diz Jussania Oliveira, terapeuta sexual de São Paulo e consultora da MH. Claro que, depois de tanto esforço, seja no trabalho, seja como parceiro ou como pai, o homem quer uma recompensa. Aí começa o pensamento do “eu mereço”: merece sair a hora que quiser, com quem quiser e voltar a hora que quiser. Isso não implica, de fato, a traição em si. É só a necessidade de viver por alguns momentos a vida do jeito que bem entender.

SAIA DESSA De fato, você merece. Mas desde que esse mérito não afete a vida da parceira. “Se parar para analisar, vai perceber que essa situação o faz viver solteiro em um relacionamento: vocês estão sob o mesmo teto, mas desrespeitam a decisão de viverem como casal”, diz Viviane. Isso faz com que andem em caminhos diferentes. Você deve ter seus momentos sem a parceira: sair para beber com os amigos, reunir-se para uma pelada ou até degustar um momento de solidão. Ela também, diga-se. “Aí entra a inteligência de vocês em saber viver a dois”, diz Viviane.

3. O carinho é só no sexo

“Muitos casais só se tocam na hora do sexo. Fora da cama são frios, não demonstram carinho, não andam de mãos dadas, não se abraçam, nem se beijam”, diz Angelita Scardua, psicóloga especialista em felicidade, da Universidade de São Paulo (USP). Ora, como o sexo pode ser envolvente se a intimidade do casal está por um fio?
SAIA DESSA Infelizmente, não existe receita de sucesso. Mas você pode repensar esse quebra-cabeça: “Ter uma vida a dois é compartilhar, trocar, se doar, dar e receber prazer”, diz Jussania. Então, invista no contato físico. Lembre: o sexo começa muito antes de irem para a cama. Dê um beijo de bom-dia na parceira, aconcheguem-se no sofá, reservem tempo para conversar. “Estreitar os laços emocionais ajuda a entender como se pode oferecer prazer.”

4. A rotina está pesada

Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que três entre quatro mulheres consideram a rotina estressante – e culpam o marido por isso. Você também deve ter suas queixas sobre a parceira. Conciliar tarefas domésticas, filhos e trabalho não é fácil. “Amarradas às responsabilidades, algumas pessoas se sentem obrigadas a cumprir funções no relacionamento, como fazer sexo”, diz Angelita.

SAIA DESSA Chacoalhe a mesmice. “A rotina pode ser uma boa. Ela traz a sensação de fazer parte de uma relação segura.” Por exemplo: guarde as quintas-feiras para cozinhar a dois e curtir um bom vinho. Isso é rotineiro, mas fundamental para a vida a dois em longo prazo.

5. As cobranças são constantes

Às vezes, o relacionamento é contaminado por uma angustiante insatisfação e negativismo. E isso reflete no modo como você passa a enxergar sua mulher: uma rabugenta reclamona. “Nessas horas, você acredita que tem a razão do conflito e que o motivo do seu descontentamento é a parceira, que ela é quem não faz a coisa certa”, diz Rodrigues Junior. “É comum achar que o outro é responsável pela sua infelicidade”, comenta Angelita. “Em geral, a insatisfação e o pessimismo são muito mais um empecilho individual do que do casal.”

SAIA DESSA Olhe para dentro e avalie se tanto pessimismo é porque você anda frustrado com outras áreas da sua vida, como o trabalho e o que planeja para seu futuro. “Equilibre suas ambições e veja se não está criando expectativas irreais para sua vida conjugal”, diz Jussania. Depois, é preciso aprender a lidar com suas frustrações e rever como você age e trata sua garota. Não adianta soltar os cachorros na primeira discussão. Respire fundo e tente avaliar se ela tem razão para tantas queixas. Agora, se a pessoa negativa é a parceira, nunca assuma a responsabilidades dos problemas dela ou tente cobrir os buracos para satisfazê-la. “É uma tarefa ingrata, mas dessa forma você não permite que ela se veja como vítima da história”, afirma Angelita.

6. O ciúme virou neurose

“Em geral, desconfiança excessiva está vinculada à baixa autoestima, em que o ciumento não se acha bom o suficiente para a outra pessoa”, explica Angelita. Por mais que o ciúme não tenha justificativa aparente, tanta minhoca na cabeça dela repercute em seu comportamento. Com medo de que ela faça um escarcéu, você conta uma mentirinha aqui, esconde quem é a turma da happy hour etc. “E com isso vêm mais cobranças, que dificultam a comunicação do casal”, diz Rodrigues Junior.

SAIA DESSA Converse e procure saber de onde vem a insegurança dela. O que não significa “tentar convencer a parceira com seu ponto de vista”. Leva um tempo para afinar a sintonia no casal.
É preciso resgatar o sentimento de cumplicidade e a confiança do início do namoro. Para ajudar a parceira a combater essa roubada do ciúme, dê doses extras apoio e carinho. “Quando homem e mulher se sentem unidos, a relação flui naturalmente”, pontua Viviane.

Men's Health

terça-feira, 29 de outubro de 2013

30 razões para fazer sexo



Os benefícios de uma noite (dia, tarde...) quente vão muito além da cama e dos minutos (ou horas...) de duração de uma transa

1. Coloque o coração do seu homem em forma. De acordo com um estudo da Universidade Queens, na Irlanda do norte, homens que fazem sexo três ou mais vezes na semana têm metade do risco de sofrer um ataque cardíaco.

2. A mesma pesquisa ainda prova que transar regularmente diminui em 50% as chances de ele sofrer um derrame.

3. Que esteira, que nada. Meia hora de um rala e rola intenso manda embora 200 calorias, o equivalente a 15 minutos de corrida.

4. Felicidade já. "Durante a transa, estimulamos a produção dos neurotransmissores dopamina e serotonina, que aumentam a sensação de alegria, prazer e bemestar", afirma o terapeuta sexual Amaury Mendes Júnior, do Rio de Janeiro.

5. Cheiro de amor. Um estudo publicado na revista americana Science destacou que o sexo aumenta consideravelmente a produção do hormônio prolactina. Ele estimula a geração de neurônios na parte do cérebro responsável pelo olfato, tornando esse sentido mais apurado logo após a relação.

6. Durma bem. Uma massagem relaxante mais um rala e rola estimulam a liberação de endorfinas que induzem ao sono.

7. Explore sempre a criatividade. "Quando um casal está junto há bastante tempo, é comum a rotina na cama ficar monótona, mas não é preciso ser assim. Pensar em maneiras de aquecer o relacionamento e falar de sexo exercita a imaginação e incrementa a intimidade entre os parceiros", diz Eliano Pellini, chefe do setor de sexualidade da Faculdade de Medicina do ABC.

8. Sexo pode ser o gatilho para o trabalho de parto quando estiver na sua hora. O sêmen contém prostaglandina, hormônio que contribui para a dilatação do colo do útero e induz naturalmente ao trabalho de parto. E, não, não faz mal ao bebê.

9. Tem mais: no livro Teach Yourself: Training Your Brain (inédito no Brasil), os autores, Simon Wootton e Terry Horne, defendem a tese de que a oxitocina está ligada ainda à capacidade do cérebro de encontrar soluções criativas para dilemas e problemas.

10. Uma pesquisa da Universidade Yale, nos EUA, afirma que no sêmen existem hormônios responsáveis por alterar o humor. Das 293 mulheres com características depressivas que participaram da pesquisa, as que não costumavam usar preservativo demonstraram melhoras nos sintomas da doença psíquica — uma indicação de que a exposição ao fluido faz bem (desde que com muita responsabilidade!).

11. Dê sua contribuição naquele momento clube da Luluzinha safado, quando até a pior das experiências a dois vira o assunto mais interessante e garante boas risadas entre amigas.

12. Também se sabe que o esperma contém zinco, cálcio e outros minerais comprovadamente eficientes no combate a cáries e placa bacteriana. E é nutritivo: cada ejaculação libera ainda uma mistura de vitamina C, proteínas, carboidratos e água.

13. Sabe aquela história de olhos brilhando quando as coisas vão bem na cama? Pura verdade. "Na transa, o corpo libera estrogênio, o hormônio da feminilidade, que responde pelas formas do corpo, intensifica a beleza e garante a lubrificação vaginal", diz Amaury Mendes Júnior. Entendeu como uma coisa leva a outra?

14. A transpiração resultante da ginástica a dois ajuda a desobstruir os poros e eliminar as impurezas pela formação de cravos e espinhas.

15. Pare o trânsito a bordo do seu biquíni. Como toda atividade física, transar trabalha para valer a musculatura. É das melhores para deixar o abdômen e as coxas sarados e o bumbum durinho.

16. Durante a troca de fluidos, a mulher fica mais animada porque recebe o hormônio prostaglandina E1, atestam cientistas da Universidade de Albany, nos EUA.

17. Endocrinologistas das universidades americanas de Columbia e Stanford afirmam que mulheres que fazem sexo pelo menos uma vez por semana têm ciclos menstruais mais regulares do que aquelas que transam de vez em quando.

18. De quebra, você mantém distância da TPM e investe numa menopausa tranquila. Afinal, o sexo saudável favorece o equilíbrio hormonal e o sossego do seu parceiro.

19. Caça ao tesouro. Pesquisadores da Universidade de L’Aquila, na Itália, provaram que o ponto G, aquele cuja estimulação é capaz de provocar ondas de prazer indescritíveis, existe mesmo em algumas mulheres. Isso mesmo, você acaba de ganhar mais um motivo para se jogar nessa busca.

20. Diga adeus ao resfriado. Pesquisadores da Universidade Wikes, na Pensilvânia, nos EUA, descobriram que transar uma ou duas vezes por semana fortalece em 30% o sistema imunológico, pois eleva os níveis de imunoglobina A, um antibiótico natural.

21. "A imunoglobina A é conhecida como o hormônio da afetividade, e sua liberação desencadeia a sensação de confiança entre o casal e aquela vontade de ficar juntinho depois do ato sexual", acrescenta Amaury Mendes Júnior.

22. Adie o Botox. No livro Secrets of the Superyoung (inédito no Brasil), o neurofisiologista David Weeks, do Hospital Real de Edimburgo, na Escócia, garante que uma vida ativa sexualmente retarda o envelhecimento e as sessões de agulhadas.

23. O especialista em fertilidade Harvey Kliman, da Universidade Yale, descobriu que mulheres com orgasmos frequentes sofrem menos de endometriose (quando o tecido de revestimento uterino eliminado pela menstruação passa para outras partes do corpo, como ovários, bexiga e trompas), pois as contrações que ocorrem durante a excitação expelem os fragmentos do endométrio.

24. O estrogênio liberado na transa responde pelo viço da pele, que recebe mais irrigação sanguínea e fica mais lisa e macia (pense nisso antes de gastar uma fortuna com cremes caríssimos).

25. Mais, mais! "Quanto mais sexo você faz, maior a possibilidade de continuar produzindo testosterona, hormônio presente no organismo feminino e responsável por detonar o desejo sexual", avisa Michele Weiner Davis, autora do livro The Sex- Starved Wife: What to do When He’s Lost Desire (inédito no Brasil).

26. Melhor do que dinheiro. Um estudo recente do National Bureau of Economic Research revelou que um casamento com sexo na rotina é apontado como responsável pelo mesmo grau de felicidade de ganhar 100 mil dólares por ano (em torno de 14 mil reais por mês).

27. Sinta-se poderosa. A energia que resulta de uma rotina sexual gostosa se espalha por outros campos da vida, e com isso você ganha confiança, disposição, paciência e criatividade para esbanjar no trabalho e na vida social e familiar.

28. Da mesma forma, conversar sobre o que você gosta (ou não) entre quatro paredes destrói tabus e acaba ajudando na hora de se expressar em outros momentos da vida.

29. Dor de cabeça não é desculpa. Estudos recentes mostraram que amassos na posição horizontal podem significar alívio da cefaleia.

30. Cá entre nós: você realmente precisa de um motivo para transar?

Women's Health

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Pilates para turbinar sua vida sexual



Melhora da postura, alívio de dores lombares, aumento da flexibilidade e força abdominal... estes são alguns dos benefícios mais conhecidos do Pilates. Mas  pouco se tem notícia sobre os efeitos dessa prática para o desempenho das atividades sexuais da mulher. Pensando nisso, a instrutora de Studio Pilates do Centro de Bem-Estar Levitas, Thaís Jacomeli, explica como é possível melhorar o prazer durante o ato sexual, proporcionando o mesmo ao parceiro, e quais técnicas podem ser usadas para isso.

Segundo a profissional, durante a aula de Pilates trabalha-se muito a musculatura do assoalho pélvico, responsável pela sustentação dos órgãos pélvicos. Alguns exercícios nesta região auxiliam diretamente no desempenho sexual da mulher, já que a irrigação sanguínea é estimulada, favorecendo as condições que levam ao orgasmo e melhoram a sensibilidade local.

"As técnicas são simples e podem ser feitas em casa. O mais importante é entender o movimento e a contração desejada, até conseguir, com muito treinamento, reproduzir essa contração do assoalho pélvico no dia a dia e durante o ato sexual", afirma Thaís. O Pilates é muito eficaz para incentivar a consciência corporal, mas entender o próprio corpo e saber contrair um determinado grupo muscular exige dedicação e concentração. Os resultados podem ser observados em pouco tempo.

"Toda mulher tem o direito de falar sobre sexo, já passamos da época de submissão e constrangimento para falar sobre o assunto. Liberdade sexual também é importante para a autoestima, portanto não podemos ter medo nem preguiça de investir no prazer e na saúde", conclui a fisioterapeuta.

M de Mulher

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Sexo é ciência: veja as recentes descobertas



Economia sexual
Foi batizada de “spousonomics” a relação de como a economia pode alterar as relações sexuais. Segundo os autores de livro homônimo, a chave para o prazer de um casal é saber administrar a conta bancária. O livro constata uma desconfiança geral: sexo é melhor quando a vida econômica vai bem.

A mulher da próxima
Os homens toleram melhor uma traição homossexual do que as mulheres. Os resultados de um estudo da Universidade do Texas, em Austin, sugerem que esse tipo de traição faz com que eles não sintam sua paternidade ameaçada e até enxerguem a possibilidade de se relacionarem com mais de uma mulher ao mesmo tempo.

Não chora, vai!
Quando a mulher chora, suas lágrimas diminuem o nível de testosterona do homem, fazendo com que ele tenha menos apetite sexual. A comprovação vem de um estudo feito pelas instituições israelenses Weizmann da Ciência e Hospital Wolfson.

Beijo é quase 100%
59% dos homens e 66% das mulheres dizem ter terminado uma relação por causa de um beijo ruim. E foi para atender a três necessidades essenciais que o beijo evoluiu da alimentação mamífera: impulso sexual, amor romântico e apego. Essas e outras pesquisas estão no lançamento The Science of  Kissing, de Sheril Kirshenbaum (Grand Central).

Lola

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Dor durante o sexo: saiba o que poder ser e como tratar



Cólica intensa

Durante a penetração, você sente uma cólica mais forte que a menstruação

Pode ser... Um sinal de que há algo errado com o seu útero, como um acúmulo de sangue causado por endometriose, ou cistos no ovário. Nesses casos, um anticoncepcional de efeito contínuo, que não deixa menstruar, ajuda na fase inicial. Mas em casos avançados pode ser preciso fazer uma cirurgia.

Lá no fundo

Uma dor latente, bem no fundo da vagina, não para de incomodar.

Pode ser... Uma DST, que provoca inflamação das trompas. "Os tipos que têm esse sintoma são a vaginose, que traz a sensação de algo estar escorrendo, e a tricomoníase, acompanhada de um corrimento verde", diz José Riechelmann, presidente da Associação Médica Brasileira de Sexologia. Para tratar, tem que tomar antibiótico.

Aperto na barriga

Ao transar, vem a sensação de pressão ou desconforto na região abdominal.

Pode ser... Simplesmente um sinal de que você está ovulando - cerca de 14 dias antes da menstruação, quando há acúmulo de líquidos e inchaço no útero. É um processo natural e não passa de um dia. Mas a dor também pode ser um sintoma inicial de infecção urinária, que precisa ser controlada com antibióticos.

Tá ardendo

O vaivém do pênis provoca uma ardência na entrada da vagina.

Pode ser... Alegia ao látex da camisinha ou ao uso de géis com sabor. Se rolar, lave bem a região e tente produtos de outras marcas. "Já se tiver corrimento, vá ao médico, pois pode haver alguma infecção", diz Luciana Taliberti, ginecologista do Hospital São Luiz, de São Paulo.

Arde ainda mais!

Neste caso, o ardor vai desde a entrada até dentro do canal vaginal.

Pode ser... "Uma infecção por fungos ou bactérias, se vier acompanhada de corrimento", explica Érica Mantelli, ginecologista do Rio de Janeiro. Ou um sinal de herpes genital, uma DST que apresenta feridinhas iguais às aftas bucais. Só depois de avaliar a origem do problema o médico indicará um antibiótico oral ou em forma de creme vaginal.

Gloss

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Já pra cozinha! Alimentos afrodisíacos para deixar a relação mais quente!



Um canapé aqui, um jantarzinho lá e um pedaço de chocolate de sobremesa. Nada demais, certo? Não se você souber escolher os ingredientes. Algumas comidas podem ajuda-la na lubrificação, no orgasmo e aumentar a sua libido. Vale testar esse menu, não vale?

Chocolate amargo

Não é à toa que a gente gosta taaanto dele! "O chocolate tem poder afrodisíaco e aumenta o desejo", diz a nutricionista Alessandra Almeida. Isso porque turbina a produção dos neurotransmissores dopamina e endorfina, envolvidos diretamente no prazer sexual. 


Pimenta-caiena

Segundo um estudo da Universidade de Oxford, na Inglaterra, seu consumo frequente tem o poder de deixa-la mais excitada. Isso porque estimula a circulação. "Os alimentos picantes aumentam a frequência cardíaca e a produção de suor", diz Thiago Volpi. Como o sexo! 

Gengibre

Se você e ele só vão ter tempo para uma rapidinha, ou se quer estar pronta para tudo assim que o gato abrir a porta, invista nessa raiz. Ela faz o sangue correr mais rápido e, por isso, estimula a lubrificação. Em tempo: nos homens, o gengibre ajuda a prolongar a ereção. 

Amendoim

A fama dele não é infundada. Fonte de vitamina B3 e E, está relacionado ao aumento da libido. E também possui zinco, importante para o sistema nervoso. O que isso influencia na transa? Se você e ele andam estressados, consomem mais desse mineral e sobra menos para a produção dos hormônios sexuais, o que faz o desejo cair no pé. Por isso o amendoim é uma boa pedida para happy hours com pretês... 

Inhame e brócolis

Ok... eles não parecem sexy. Mas o primeiro (e também a soja e a couve-flor) ajuda na produção de estrogênio. E, sem esse hormônio em níveis equilibrados, nem dar de cara com o Malvino Salvador, sem camisa, vai ser capaz de deixá-la a fim. O segundo turbina a excitação por conter altos níveis de niacina e vitaminas A, C e B5. 

Mel

Não, ele não é apenas um acessório do sexo gourmet! Por estimular a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de prazer (hummm...) e bem-estar, é essencial se você está querendo algo mais que inocentes beijinhos com seu gato. Também fornece boro, envolvido no metabolismo do estrogênio 

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Homens também podem apresentar dificuldade em ter orgasmos



Queixa comum entre as mulheres, a impossibilidade de ter orgasmos é um problema que também pode atingir os homens. Assim como acontece nos casos femininos, a origem da condição é quase sempre psicológica, apesar de poder ser desencadeada por fatores físicos.

O que é orgasmo?

Segundo explica o psicólogo Martinus Christen Koepsel, orgasmo é uma resposta fisiológica natural diante de um estímulo sexual considerado prazeroso pelo homem. “Ele se caracteriza pela ejaculação e pela sensação de alívio da tensão sexual que percorre o corpo todo”, explica.

No entanto, apesar de muitas vezes serem considerados a mesma coisa, o orgasmo e a ejaculação são dois fenômenos distintos, que, em casos raros, podem acontecer separadamente. “É perfeitamente possível que um ocorra sem o outro. Porém, habitualmente, a ejaculação é acompanhada do orgasmo e vice-versa”, afirma o especialista.

Transtorno do Orgasmo Masculino

Quando o homem não consegue gozar durante a penetração, ele apresenta um Transtorno do Orgasmo Masculino chamado de anorgasmia masculina. A condição é rara e se caracteriza pela impossibilidade de obter a sensação de alívio da tensão sexual inerente ao orgasmo (quando há a contração e relaxamento muscular) mesmo havendo ejaculação. “Em outras palavras, é como se a ejaculação acontecesse sem a característica prazerosa”, descreve o psicólogo.

Outro transtorno que pode acometer o homem é a ejaculação retardada, ou ejaculação inibida. Nele, o homem até consegue atingir o orgasmo, porém só após uma intensa e prolongada estimulação oral ou manual e muito dificilmente através da penetração. “Nessa condição, o homem frequentemente extrapola o tempo considerado satisfatório pelo casal para chegar à ejaculação”, explica Martinus. Em alguns casos, o homem não chega a ejacular.

Em ambos os quadros, o transtorno ocorre durante o ato sexual. “Alguns homens afirmam que conseguiriam chegar ao orgasmo mais facilmente se masturbados pela companheira, mas não com a penetração. Já na masturbação individual, o desenvolvimento da excitação e da ejaculação é satisfatório para o sujeito. Isso não significa que não haja problemas na masturbação, apenas que ele é pouco significativo se comparado ao desempenho do homem durante um relacionamento sexual”, esclarece o profissional.

Parceira não deve esconder seu descontentamento, mas precisa oferecer apoio (Thinkstock)
Parceira não deve esconder seu descontentamento, mas precisa oferecer apoio (Thinkstock)

Causas e tratamento

Alguns medicamentos podem levar ao retardamento da ejaculação e à diminuição do desejo sexual e do prazer. Cirurgias urológicas e neurológicas, cardiopatias, doenças vasculares e diabetes também podem estar associados à disfunção.

Porém, segundo o especialista, o problema de saúde não pode ser considerado a única causa do transtorno. “O fator psicológico é muito importante, talvez o principal. É muito comum que homens saudáveis acreditem, inicialmente, que a condição tem a ver com algum distúrbio orgânico e busquem desesperadamente um medicamento que acabe com o problema”, diz. “Os remédios podem ajudar. Entretanto, a combinação entre o tratamento medicamentoso e psicoterápico é o que demonstra melhores resultados”, completa.

O homem que vivenciou algum tipo de distúrbio sexual deve procurar um urologista para investigar a origem do problema. Se for o caso, ele será encaminhado para um psicoterapeuta, que fará um tratamento paralelo. “A psicoterapia sexual ainda é o modo mais efetivo para tratar disfunções dessa natureza”, afirma Martinus.

Parceiras: como agir?

É essencial que a companheira diga abertamente o que sente ao companheiro, porém, tomando o cuidado de adotar uma postura compreensiva e de se colocar à disposição para ajudar. “Muitas delas escondem de seus namorados ou maridos o profundo descontentamento e cansaço que sentem, pois têm medo de magoá-los. Da mesma forma, muitas têm o pensamento de incompetência por acharem que são responsáveis pelo problema”, revela o psicólogo.

Segundo ele, o comportamento ativo do casal é importante para o sucesso do tratamento. De acordo com cada caso, o psicoterapeuta pode sugerir recursos a serem realizados em casa que podem ajudar na superação do problema.

Se o distúrbio não for tratado, pode levar a uma vida conjugal insatisfatória para ambos. O homem casado que apresenta transtorno do orgasmo pode passar a evitar o sexo ou praticá-lo de forma desmotivada, enquanto o homem solteiro pode evitar sair com mulheres para não iniciar um contato sexual frustrante. Depressão e ansiedade também estão correlacionados ao problema.

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

A apresentadora Pietra Príncipe é capa da Playboy de outubro



Capa da edição de outubro da “Playboy”, Pietra Príncipe comentou as fotos de seu ensaio nu durante a festa de lançamento da revista no Club Royal, em São Paulo. “Foi desafiador, mas eu estava na hora certa pra fazer. Sabia o que eu queria e foi tudo do jeito que eu queria. Queria uma coisa que ficasse ousada, que não fosse tão comum, e que desse tesão nas pessoas, homens e mulheres. Que fosse uma coisa bonita de olhar e gostosa também”, disse a apresentadora na noite da última terça-feira, 15.
Para algumas fotos, Pietra posou em um helicóptero em movimento. “Achava que tinha (que beber) até o dia. Mas foi tanta adrenalina que nem precisei. Fui e nem liguei. O piloto também ajudou, não ficou tenso”, contou.
A apresentadora falou ainda sobre fazer sexo em lugares inusitados: “Nunca quis fazer essas coisas. Acho que tem que fazer na cama mesmo, e bem feito. No avião eu nunca nem pensei”.

Confira mais fotos:






quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Falta de desejo tem tratamento; conheça



A sobrecarga de afazeres no dia a dia, somada às cobranças no trabalho e demanda de atenção dos filhos são alguns dos fatores que podem acabar fazendo com que o sexo fique em segundo plano. “As mulheres conseguem realizar diversas tarefas durante um dia: participar de reuniões, levar os filhos a escola, fazer compras, ir a academia e, por se sentirem cansadas depois de todas essas atividades, o sexo é deixado de lado”, afirma a ginecologista Fabíola Sperafico, da Clínica Plena.

Sem vontade de fazer sexo

Ela diz que crises no relacionamento de longa data ou até mesmo problemas com o próprio corpo podem fazer com que isso aconteça, podendo se caracterizar por dois quadros distintos: o desejo sexual hipoativo e a aversão sexual. “O primeiro trata da diminuição ou ausência de fantasias sexuais e do desejo de ter atividade sexual. Já o segundo é a esquiva ativa do contato sexual genital com o parceiro, quando a tentativa deste contato causa ansiedade, sofrimento, medo e até mesmo nojo, considerada uma situação de perigo”, explica.
Segundo o livro “Descobrimento Sexual do Brasil – Para Curiosos e Estudiosos” (Summus Editorial), da autora Carmita Helena Najjar Abdo, cerca de 27% das mulheres enfrentam a falta de desejo sexual permanente. A razão, segundo a médica, pode estar em traumas na infância ou na iniciação sexual, educação religiosa muito rígida ou até mesmo repulsa pelas secreções genitais.

Tratamento para falta de desejo sexual

Mas o problema tem solução. Para que seja feito o melhor tratamento, é necessário que haja um diagnóstico preciso. “Cuidar da saúde, conversar abertamente com o parceiro e procurar auxílio profissional, para tratamento medicamentoso ou piscológico como uma terapia, por exemplo, podem ajudar”, afirma a médica.

Quando eles não querem transar

Os homens também podem apresentar perda de desejo sexual. Entre os principais fatores, no caso deles, estão o cansaço e o estresse, de acordo com dados de uma pesquisa realizada em Lisboa, realizada via internet com mais de cinco mil homens heterossexuais de diversos países.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Suíte sado-erótica do Vênus Motel

Um lugar onde as suas fantasias se tornam realidade e os seus desejos mais insanos vêm à tona, te proporcionando uma explosão de prazer

Conheça um pouco mais da nossa nova suíte: 









quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Situações constrangedoras na hora H: como lidar?




Algumas noites de sexo ficam marcadas não porque foram boas, mas porque algo constrangedor aconteceu. No momento dá uma vergonha imensa e na maioria das vezes as pessoas não sabem o que fazer. A psicóloga e sexóloga Carla Cecarello dá dicas para ter jogo de cintura na hora H quando algo engraçado ou constrangedor acontece.

Calcinha bege e depilação

A mulher procura estar sempre com a depilação em dia e com um lingerie legal para surpreender o parceiro, mas às vezes ela é pega desprevenida. Nessas horas, a dica de Carla é relaxar. “A melhor postura nesse caso é não comentar nada e deixar a encanação de lado. Pedir desculpas ou fazer algum comentário sobre o assunto acaba chamando atenção para algo que ela quer esconder”, afirma. O mesmo vale se um dos dois fizer algum barulho constrangedor sem querer. A sexóloga ressalta que esse tipo de coisa às vezes acontece e que o melhor a se fazer é seguir em frente.

Falar o nome de outra pessoa

Quando, na hora H, o nome que você ouve não é o seu dá uma vontade de sair correndo dali, certo? É realmente uma situação complicada que costuma quebrar totalmente o clima. “Às vezes o processo de desligamento em relação a um relacionamento anterior leva um tempo para acontecer e pode escapar o nome errado. É difícil, mas nessa situação o mais indicado é não valorizar o erro, mas sim o momento que os dois estão tendo”, diz Carla. Ela afirma ainda que independente de quem tenha cometido o deslize, é interessante propor uma conversa posterior, não imediatamente após a transa, para não ficar uma impressão ruim.

Ele broxou, e agora?

Esse é o tipo de situação constrangedora na qual o a mulher não sabe o que dizer e o homem menos ainda. “Fuja do clichê “isso acontece”, porque só faz o parceiro se sentir ainda pior. A dica nesse caso é dizer de forma firme e direta “fica tranquilo”. A sexóloga garante que situação fica ainda mais constrangedora se os comentários vêm acompanhados de um tom de compaixão. “Propor um banho ou oferecer uma massagem é uma boa opção para que o parceiro relaxe”, completa.

Tombos e escorregões

Na hora de trocar de posição, dependendo do lugar, pode acontecer uma situação engraçada na qual um dos dois – ou os dois! – se desequilibram e caem. Não alimente um clima de tensão! “Isso vai muito da intimidade e sintonia do casal! Uns caem da gargalhada e brincam com a situação, outros fingem que nada aconteceu. O que importa é não valorizar a falha”, explica Carla.

Expressões verbais pesadas

Falar durante o sexo é um estímulo saudável, mas se o homem acabar pegando pesado nos adjetivos ou nas expressões, converse com ele sobre isso depois. “Na hora da transa não é bacana tocar no assunto ou assumir uma postura de que ficou ofendida. O melhor é explicar para ele depois que você não gosta de ouvir coisas tão fortes”, afirma a sexóloga.

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Apenas uma noite - estimule o interesse dele para que o dia seguinte não seja ruim


Depois de conhecer um carinha superbacana e acabar se entregando à tentação, mil coisas passam pela cabeça da mulher. O dia seguinte à transa costuma ser um turbilhão de pensamentos e, principalmente, expectativas. Será que ele gostou? Será que vai ligar e combinar o próximo encontro? Enquanto isso, do outro lado, nem metade desses questionamentos passam pela cabeça dele. O dia demora a passar e a tendência é que, ao menor sinal dele, a tristeza tome conta. É, meninas, a situação é muito comum, mas saibam: pode ser evitada!
Se tomou todos os cuidados com o corpo, não há nada de errado em ter rolado. O problema é que as mulheres e os homens encaram o sexo casual de maneira bem diferente. “A mulher espera encontrar a pessoa para ficar ao seu lado, e depois de um momento de intimidade tão grande, cria expectativas de continuar se encontrando com o homem. Por outro lado, ele deixa de ter estímulo para correr atrás dela, já que a menina não deixou espaço para que ele se interessasse”, analisa o sexólogo e terapeuta sexual Amaury Mendes Júnior.
O espaço para que o homem se interesse, segundo o especialista, deve ser criado quando a mulher dificulta um pouco a relação, mas de forma inteligente. Fazer jogo duro e provocar, mas recuar, não é um bom método. O ideal é ter malícia, mostrar quem é realmente, falar sobre propostas de vida e, com isso, se fazer atraente para que ele queira conhecer mais a fundo aquela mulher.
“Se acontece o sexo sem muita intimidade entre as duas pessoas, é inevitável que a menina fique com o sentimento de que foi apenas mais uma na vida do cara. E essa será uma verdade, fazendo com que dificilmente aconteçam novos encontros”, diz. Por isso, muitas vezes bate aquela depressão depois de se revelar totalmente para ele.
A melhor maneira de não se desesperar depois do sexo é fazer com que todo seu repertório não se esgote em uma noite. Deixe que ele tenha mais para descobrir sobre você, para que volte a te procurar. Mendes Júnior ainda dá um conselho: segure a ansiedade e, se ele não ligar, não ligue para ele. “Por mais que hoje as meninas estejam muito mais igualadas aos homens, a mulher precisa se valorizar e esperar para saber a real intenção dele. Toda relação é uma troca, não se faz sem interesse dos dois lados. Espere para ver se tem retribuição e aí sim é possível dar o próximo passo”, garante.

Bolsa de Mulher